.Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Sondagem

.ROINES RUTIS

O site - www.rutis.org

.Comentários

O racismo é um problema que parece interessar para...
Não devemos ficar olhar para o nosso umbigo, porqu...
Tais reacões são de quem vive numa sociedade oprim...

.Arquivos

AGENDA ROINESXXI

.Links

.SENIORS - MAYORES - ANZIANI - 前輩 > SENIOR LIFE IN THE WORLD

ROINESXXI = SÉNIOR do século XXI | Journal du XXI siècle - Journal of XXI century - Diario del siglo XXI – Jornal do século XXI - Journal di XXI secolo | Portugal tem 245 universidades seniores, 35 mil alunos e 4.500 professores voluntários | Museu do Louvre (Paris) recebe 10 milhões de turistas/ano, Portugal recebe (2019) 27 milhões de turistas | Portugal apresenta o mais baixo nível salarial dentro da Zona Euro | Lisboa é das cidades mais "baratas" da Europa, Zurique é a mais cara | Mais de 692 mil pessoas já viram este blog | Tríade para ser feliz: QUERER, APRENDER, FAZER | A Constituição Portuguesa tem 296 artigos | Portugal tem 308 municípios e 3 091 freguesias | Dia dos roinesianos é a 19 de Fevereiro | Existem no mundo mais de 2.700 línguas, a mais falada é o mandarim | Cabo Girão (na Madeira) é o promontório mais alto da Europa e o 2.º mais alto do Mundo | A igreja Católica em Portugal tem 52 bispos e 3.797 padres | Blog ROINESXXI / address > https://roinesxxi.blogs.sapo.pt/
Segunda-feira, 30 de Março de 2020

VÍRUS: DEPOIMENTO DO PE. AIRES GAMEIRO

Um  homem sábio, com 90 anos de idade

Estamos de “quarentena” obrigatória, com mudanças de vida forçadas, com as devidas distâncias em termos físicos e receios de toda a espécie… mas, nada pode impor o silêncio ou a ausência de comunicação. As redes digitais, no atual contexto do “coronavírus”, são preciosas e potenciam a proximidade, a vizinhança, a partilha de testemunhos que estão a acontecer neste momento.

Com base nesta realidade, fomos ao encontro de uma pessoa que muito admiramos e que é também especialmente considerada por muitos dos nossos leitores: o P. Dr. Aires Gameiro (da Ordem Hospitaleira de São João de Deus); um especialista em pastoral de saúde, psicólogo, autor de livros e numerosos artigos, conferencista em várias partes do mundo…; um  homem sábio, com 90 anos de idade, e que nesta ocasião está a cumprir a “quarentena”, na sequência de uma viagem que fez à Irlanda para participar num congresso internacional sobre o problema do alcoolismo no mundo… 

Quisemos registar a sua presente situação, através de uma breve entrevista feita por e-mail, e que agora damos a conhecer neste blog: https://roinesxxi.blogs.sapo.ptP.AIRES GAMEIRO.jpg

Pe. Aires Gameiro

> Entrevista conduzida pela jornalista Vera Luza

VL - Como está a encarar esta situação de "isolamento" físico forçado?

AG - Antes de responder à sua pergunta gostaria de dizer o que me ocupa nestes dias de quarentena. Comecei a 19, mas já desde o dia 9 em Dublin e depois em Londres de 14 a 19. Comecei a praticar no congresso a vida em tempo de pandemia.

Agora o isolamento é rigoroso. Tive que me organizar e tenho sempre o tempo cheio. Descansar bem, ler bastante, jornais, boletins, em papel e online, escrever muito. Inventei a ocupação de escrever o diário, rezo muito por todos (de perto e de longe, amigos e conhecidos, doentes (alguns contatam-me) e profissionais de saúde, familiares e desconhecidos, infetados e ameaçados pelo vírus esperto que exige rigor na defesa, pelos vivos e falecidos.

Rezo e celebro a missa sozinho, mas com todos e por todos, também com todos os que rezam para que Jesus, o médico de doentes e pecadores, nos liberta desta peste. Unido ao Papa, aos bispos, aos padres e a todos os que rezam. Passo cada dia bem e relativamente contente, até agora. Não estou sozinho, apesar de as companhias serem virtuais. Passo agora às questões que me põe.

É difícil resumir tantas experiências. Encaro a quarentena com uma certa curiosidade; é uma experiência muito dinâmica que vai mudando a cada momento com as notícias. O meu bom estado de saúde ajuda a estar atento. Até me obrigou a criar um horário. E aventurei-me no desafio de escrever o diário de quarentena que penso partilhar, ainda não sei como. Repare que esta decisão de fazer um diário aberto aumentou a ocupação, as frentes de observação e de reflexão. Ajuda a viver melhor esta reclusão.

Desse diário fazem parte as reflexões e trocas virtuais. O facto de manter os tempos de oração, as Horas do Breviário rezadas pelos textos da Internet, alternando várias línguas, como faço também com o terço e a missa que celebro no meu gabinete, é enriquecedor e gratificante. Sempre pelas intenções de todos os envolvidos na epidemia, mesmo todos.

VL - No seu caso, esta "quarentena" surge como necessária e obrigatória, devido à sua recente participação num congresso internacional na Irlanda... Pode-nos relatar um pouco como foi essa participação e a importância desse congresso?

 

Os alarmes diários

AG - Sim é obrigatória. Faz parte da emergência. Não estou contrariado, talvez por estar sempre muito ocupado e as evidências mostrarem que é fundamental. Incluí no diário o relato da decisão difícil de participar no congresso em Dublin. A saída da Madeira para a Irlanda, já com a epidemia a avançar foi decidida com apoio de várias pessoas. As experiências nesse grande congresso com mais de 500 participantes de todo o mundo, o quarto desta organização, resultaram bem. Os alarmes diários para os rituais de lavar as mãos, de usar gel, de não apertar a mão nem dar abraços, mas usar os cotovelos, foi um treino importante para evitar o contágio (estou quase a saber se consegui).

O congresso destinava-se a apresentar evidências de alarmes sobre os danos do álcool em todo o mundo e propor políticas para os reduzir; por isso girou à volta de duas globalidades: reduzir os 3 milhões de mortes, por ano, em todo o mundo, devidos ao álcool consumido; e reduzir as vítimas do coronavírus que alastrava e causava medo e pânico. 

VL - A situação de pandemia é motivo de muitos medos e milhares de mortes... Na sua opinião, há outros "vírus" do nosso tempo que estão a matar mais?  Por exemplo, "vírus" sociais, bélicos, políticos, etc...

 

Há outros vírus

AG - Precisamente, o Codiv-19, pode provocar doença e morte rápida e por isso mete mais medo matando menos (por enquanto e esperemos que assim fique), assusta mais que os três milhões de mortos anuais por álcool, ou os mais de 40 mil anuais por aborto provocado.  O álcool, o tabaco, o aborto, a droga, a fome, não são vírus, mas matam mais cada ano que o coronavirus (esperemos que não se invertam os números).  

Agora o medo afeta mais os idosos doentes e não doentes, contudo as mortes do “virus” da eutanásia estão em aumento. Será que agora os idosos infetados já não vão morrer de eutanásia? Há outros vírus inimigos e perigosos no tecido social: as dissensões entre os países do norte e os do sul da Europa; ou entre as grandes economias e os países da fome e miséria. Não falta quem especule, e oxalá que sejam fake news, que este vírus terá sido espalhado como guerra biológica entre blocos políticos e como meio para reduzir a população mundial.

Não se exclui que alguns destes conflitos políticos tenham motivações económicas, religiosas e ideológicas: os latinos católicos para um lado, os nórdicos protestantes para outro; a fé cristã, a ciência e as religiões não cristãs, cada uma para seu lado, em vez de colaboração para vencer este inimigo. É certo que apesar de se insistir no alvo dos mais idosos e doentes, funciona também o duplo travão da discriminação, a globalidade e a democracia do coronavírus. O Codiv-19 tem atacado de forma muito democrática; não faz aceção de pessoas de poder político e de alto nível de vida.

VL - Escreveu num artigo que como está de "quarentena" está a servir de "cobaia espiritual"... Pode explicar um pouco mais o que quer dizer com isto?

 

Níveis de esperança

AG - Bem, foi um nome que me ocorreu sobre a esperança em situação de isolamento por razões científicas e perigo de morte. Tem uma certa razão de ser. Poderia servir para avaliar dois níveis de esperança na linha da frente dos que vão ficando infetados e dos que, com generosidade e motivações morais, não os abandonam.

Enfim, avaliar o que chamei de esperança a prazo e esperança baseada na fé teologal, isto é, uma, enquanto há a saúde, outra, quando a doença se torna mortal. Aplico a mim essa distinção em situação de quarentena obrigatória para meu bem e bem dos outros. Duas esperanças, ambas válidas, uma decisiva quando a outra acaba; uma avalia a importância dos recursos da ciência e técnicas, a outra os recursos da fé com confiança.

VL - Com a sabedoria dos seus 90 anos de idade - e já passou por outras "guerras" e grandes dificuldades, qual acha ser a lição que podemos e devemos tirar de tudo isto, destas ameaças e provações? Ficaremos mais próximos de Deus e acolheremos melhor a mensagem de Jesus Cristo?

AG - Os homens são livres de dizer sim e não a Deus. Para uns, esta pandemia pode melhorar ou agravar-se, e pode estimular mais fé e oração, associadas à ciência e técnicas de curar. Está a mudar muito os modos de viver. Para outros, pode estimular atitudes religiosas de fé em Deus e em Jesus Cristo; num terceiro grupo, pode ainda levar à fé e práticas religiosas, mas excluir Cristo e a Igreja. Jesus Cristo, sim, Igreja, não. E porquê?

 

O homem é livre

O homem é livre e não quer ou não consegue aceitar uma Igreja com defeitos e pecados. Vê nela as “torturas” das linhas tortas dos homens e não o bem que Deus escreve direito nas linhas. Ou ainda, aceitam a Igreja e as palavras de Cristo, mas não como mãe. Talvez por terem outra mãe em termos de compromissos e afiliações religiosas.

Os pecados da Igreja seriam ao mesmo tempo barreiras e confirmações de que os homens são livres. Fidelidades laicas ou talvez compromissos solenes noutras afiliações “religiosas” (maçónicas, “protestânticas”,…) fazem sentir que já têm a sua “Mãe” e a consideram mais bonita e credível. Ficarão simultaneamente mais ligados à ciência e a outras afiliações cristãs ou religiosas, não católicas. Afiliar-se ao cristianismo católico pode estar condicionado por certa ligação a outros países, sistemas religiosos e políticos.

Será que esta pandemia vai trazer conversões no sentido de aproximar mais de Deus, de Cristo, da Igreja? Uma pandemia destas com tantas mudanças e sofrimentos temporários vai levar a conversões? Não sei. As conversões acontecem frequentemente de surpresa para os próprios e os que os rodeiam. Nem os próprios fazem ideia se irá acontecer. Não é proibido fazer especulações contando sempre com a liberdade de cada pessoa.

 > roinesxxi - Vera Luza, 30 de março de 2020.

publicado por j.gouveia às 13:19

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Joaquim Cosme a 30 de Março de 2020 às 23:15
Tenho simpatia pelo Padre Aires Gameiro e agora ainda mais pois gostei das respostas que deu.
Joaquim Cosme

Comentar post



REDE
UNIVERSAL
DE NOTÍCIAS

João Godim

FREELANCER


contador de visitas
Contador de visitas
Diseño Web Sevilla



Mil Canções
dos últimos 30 anos


>REPORTAGENS

>EUROPA DIRECT

>METEOROLOGIA

>SOS URGENCIAS

>AEROPORTO LISBOA

>AEROPORTO MADEIRA

>TABELA DE MARÉS

.Fotos


GALERIA ROINESXXI
ROINES NOS MEDIA

.subscrever feeds

.pesquisar

 

EUROMILHÔES


BLOGS RECOMENDADOS


Ecclesia
Museu da Imprensa
Regador do Frei Boléo
Começar de Novo
Contextos Históricos
Portugalidade
USTV
Diversidades
Motivo(s) em foco
Guiné - Bart 1914
A TERRA E A GENTE
Actualidade
O Guardião
Fernando Pessoa
Eça de Queiroz
Laurinda Alves
Livros
Leituras
Livros em português
Hábito de Leitura
Casa dos Poetas
Biblioteca Nacional
Observatório da Língua
Língua Portuguesa no Mundo
NOVA ORTOGRAFIA
Português no Mundo Árabe
Observatório da Emigração


José Régio/João Vilaret
A Procissão/João Vilaret
Pablo Neruda
Gabriel Garcia Marques


Coro da Catedral
Projecto Tio
Televisão Saloia
U.Sénior Machico
U.Sénior Funchal
Academia Sénior
Gastronomia Madeirense

PAISES DO MUNDO

11 DE SETEMBRO 2001

ENCICLOPÉDIA UNIVERSAL

FILMES DE OURO

FILMES PORTUGUESES

LA BALLADE DES GENS HEUREUX
LA VIE EN ROSE
ODE TO MAASTRICHT

VIDEOS MUSICAIS

Amália Rodrigues
Conjunto Académico João Paulo / Sérgio Borges
Manuel Freire
António Prieto
Love Story
Demiss Roussos
Frank Sinatra
Sinatra e Jobim
Vinicius de Moraes
Roberto Carlos
Julio Iglesias
Chico Buarque
Elvis Presley
Conjunto João Paulo
Música árabe
Música céltica
Maria Callas
Laura Pausini
Andrea Bocelli
Música relaxante
Vangelis
Mozart
You light up my Life
Beethoven
Franz Liszt
BeachBoys
Beatles
Elton John
Gigliola Cinquentti
Edith Piaf
Celine Dion
Pavarotti
Louis Armstrong
Nat King Cole
Dont Worry Be Happy

AS MAIS FAMOSAS CANÇÕES DE NATAL

VIOLA OK
Viola clássica Viola/Guitarra
Guitarra/Carlos Paredes
Viola/Gips Kings
Viola/intantil!
Viola/genial!!!
Guitarra Espanhola
Viola:Over the Rainbow
Viola: Kenny Rogers
Viola:José Feliciano