.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
23
24
25
26
27
28
29
30

.Sondagem

.ROINES RUTIS

O site - www.rutis.org

.Comentários

Um bom verão para si também. Espero mesmo que este...
O drama dos retornados e espoliados de Angola mas ...
Todos dizem estar o clube em primeiro lugar... mas...

.Arquivos

AGENDA ROINESXXI

.Links

.SENIORS - MAYORES - ANZIANI - 前輩 > SENIOR LIFE IN THE WORLD

ROINESXXI = SÉNIOR do século XXI | Journal du XXI siècle - Journal of XXI century - Diario del siglo XXI – Jornal do século XXI - Journal di XXI secolo | Portugal tem 245 universidades seniores, 35 mil alunos e 4.500 professores voluntários | Museu do Louvre (Paris) recebe 10 milhões de turistas/ano, Portugal recebe 18 milhões de turistas | Portugal apresenta o mais baixo nível salarial dentro da Zona Euro | Lisboa é das cidades mais "baratas" da Europa, Zurique é a mais cara | Mais de 455 mil pessoas já viram este blog | Tríade para ser feliz: QUERER, APRENDER, FAZER | A Constituição Portuguesa tem 296 artigos | Portugal tem 308 municípios e 3 091 freguesias | Dia dos roinesianos é a 19 de Fevereiro | Existem no mundo mais de 2.700 línguas, a mais falada é o mandarim | Cabo Girão (na Madeira) é o promontório mais alto da Europa e o 2.º mais alto do Mundo | A igreja Católica em Portugal tem 52 bispos e 3.797 padres | Blog ROINESXXI / address > https://roinesxxi.blogs.sapo.pt/
Quarta-feira, 30 de Maio de 2018

NOS 50 ANOS DO MAIO DE 68

Revolução em Paris - uma festa de juventude

Por estes dias, e por todo o lado, circulam as notícias e recordações sobre o "Maio de 68" em França, há 50 anos, num contexto de grande euforia e revolta. A rebelião, na fase inicial, teve como protagonistas os jovens estudantes, mas logo se alargou à classe operária e cativou intelectuais de vanguarda, quase a imitar a "Revolução de 1789" e a "tomada da Bastilha".

Muito já se falou sobre estes acontecimentos e há interpretações para todos os gostos, de quem viveu muito perto de tudo, ou seguiu à distância aquele período em que o poder político e a sociedade em geral se confrontaram a sério, deixando uma marca no século XX.

Neste contexto, é sempre bom ouvir os pensadores, os sábios, que sabem mais da vida concreta, experimentada, do que simples ideologias ou utopias. É o caso do Prof. Eduardo Lourenço que naquela altura vivia em França e que falou à Lusa com alguma decepção, classificando o "Maio de 68", como uma euforia "estranhíssima", que começou por prometer muito, transformou-se numa revolta "negativa" e terminou como uma festa estudantil, que não deixou "nada", além de uma "memória", que talvez inspire o futuro.

l.jpg

Prof. Eduardo Lourenço: Eu estive na França do Maio de 68, mas não estive em Paris em maio de 68, eu estava em Nice. Vivia-se, e partilhei, essa espécie de euforia estranhíssima que durou uns 15 dias”, recorda o ensaísta, que no passado dia 23 completou 95 anos de idade.

Foram momentque recorda de “um entusiasmo delirante”, sobretudo entre as alunas, “a maioria filhas da gente grada de Nice, dos médicos, dos professores”, e que lhe suscitaram, na altura, um sentimento único: “Eu disse assim, bom, realmente eu já vi tudo na minha vida, isto é o máximo”. Mas o entusiasmo não tardou a esmorecer, quando começou a perceber os contornos que a revolta assumia e os caminhos que seguia, que acabavam por não ser portadores de uma verdadeira mensagem revolucionária", observa.

Eduardo Lourenço recorda que a “principal figura” do movimento foi “um jovem alemão”, Daniel Cohn-Bendit, que ficou conhecido como ‘Dany le Rouge’, e que aquela era uma revolta de estudantes franceses, numas certas circunstâncias, contra o tipo de poder que naquele momento era representado pelo general De Gaulle, o Presidente da República, que tinha liderado a resistência à ocupação nazi, na II Guerra Mundial, e de quem era “muito admirador”.

Além disso, o "Maio de 68" não foi propriamente originário da cultura e do espaço francês, como o foi a Revolução Francesa, mas antes, de “outra grande referência do século XX”, que chegava da América.

maio1.jpg

“Era uma imitação do que se tinha passado na Califórnia, ou em parte na Califórnia, a contestação de valores, não propriamente de valores políticos – na América seria quase um pleonasmo -, mas de comportamentos de vária ordem – ordem ética, sexual -, que tiveram influência nessa época e que deixaram rasto, naturalmente”, afirma.

Mas foi com as invasões e com as destruições promovidas quer pelos jovens quer pelas forças policiais que o seu entusiasmo se viria a “esbater muito”, conta o ensaísta, que, na altura, era professor na Universidade de Nice, recordando a “invasão dos espaços universitários” por estudantes “rasgando cartazes, rasgando fotografias de Montaigne”.

“Uma coisa que era incompatível com aquilo que eu podia aceitar de uma França que eu admiro e onde fui professor e onde sou aposentado”, acrescentou.
Olhando para trás, à distância de 50 anos, o que ficou daquele movimento foi “nada”, além de “uma festa, uma festa de juventude”, na opinião do filósofo.
Eduardo Lourenço recorda que “estes rituais vinham do mais profundo da História cultural europeia” e que a universidade sempre foi o ‘focus’ de conflitos, de revoltas contra os professores, e não só".

m2.jpg

“A universidade francesa nunca foi nenhum convento” e foi sempre um espaço “onde se jogavam aspetos fundamentais da cultura europeia, das suas contradições ou não contradições”.

“Mas enfim, chegou-me aquelas duas semanas para ver que aquilo não conduzia a parte nenhuma, a não ser como coisa memorial, para se repetir em condições talvez mais adequadas e que se chame propriamente uma revolução, no sentido profundo e positivo do termo”

publicado por j.gouveia às 08:35

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Maria Bilhardo a 1 de Junho de 2018 às 12:29
O Prof. Eduardo Lourenço dá uma imagem do maio 68 em paris um tanto diferente da que conhecíamos. Ele estava lá, vi e ouvi, e por isso dou valor ao que diz. É bom ouvir quem sabe. Obrigado, professor.

Comentar post



REDE
UNIVERSAL
DE NOTÍCIAS

João Godim

FREELANCER


contador de visitas
Contador de visitas
Diseño Web Sevilla



Mil Canções
dos últimos 30 anos


>REPORTAGENS

>EUROPA DIRECT

>METEOROLOGIA

>SOS URGENCIAS

>AEROPORTO LISBOA

>AEROPORTO MADEIRA

>TABELA DE MARÉS

.Fotos


GALERIA ROINESXXI
ROINES NOS MEDIA

.subscrever feeds

.pesquisar

 

EUROMILHÔES


BLOGS RECOMENDADOS


Ecclesia
Museu da Imprensa
Regador do Frei Boléo
Começar de Novo
Contextos Históricos
Portugalidade
USTV
Diversidades
Motivo(s) em foco
Guiné - Bart 1914
A TERRA E A GENTE
Actualidade
O Guardião
Fernando Pessoa
Eça de Queiroz
Laurinda Alves
Livros
Leituras
Livros em português
Hábito de Leitura
Casa dos Poetas
Biblioteca Nacional
Observatório da Língua
Língua Portuguesa no Mundo
NOVA ORTOGRAFIA
Português no Mundo Árabe
Observatório da Emigração


José Régio/João Vilaret
A Procissão/João Vilaret
Pablo Neruda
Gabriel Garcia Marques


Coro da Catedral
Projecto Tio
Televisão Saloia
U.Sénior Machico
U.Sénior Funchal
Academia Sénior
Gastronomia Madeirense

PAISES DO MUNDO

11 DE SETEMBRO 2001

ENCICLOPÉDIA UNIVERSAL

FILMES DE OURO

FILMES PORTUGUESES

LA BALLADE DES GENS HEUREUX
LA VIE EN ROSE
ODE TO MAASTRICHT

VIDEOS MUSICAIS

Amália Rodrigues
Conjunto Académico João Paulo / Sérgio Borges
Manuel Freire
António Prieto
Love Story
Demiss Roussos
Frank Sinatra
Sinatra e Jobim
Vinicius de Moraes
Roberto Carlos
Julio Iglesias
Chico Buarque
Elvis Presley
Conjunto João Paulo
Música árabe
Música céltica
Maria Callas
Laura Pausini
Andrea Bocelli
Música relaxante
Vangelis
Mozart
You light up my Life
Beethoven
Franz Liszt
BeachBoys
Beatles
Elton John
Gigliola Cinquentti
Edith Piaf
Celine Dion
Pavarotti
Louis Armstrong
Nat King Cole
Dont Worry Be Happy

AS MAIS FAMOSAS CANÇÕES DE NATAL

VIOLA OK
Viola clássica Viola/Guitarra
Guitarra/Carlos Paredes
Viola/Gips Kings
Viola/intantil!
Viola/genial!!!
Guitarra Espanhola
Viola:Over the Rainbow
Viola: Kenny Rogers
Viola:José Feliciano